Luciano Andolini Luciano Andolini

Blog

1--gAFXNmnY1V96VYnH8ADeQ

Liberdade criativa não existe (e quando existe, é ruim pra você)

12 12UTC JULHO 12UTC 2016 by Luciano Andolini

Não se ressinta por não poder criar o que quer, na hora que quer. As limitações são suas melhores amigas.

Na minha experiência, começar e terminar são sempre as partes mais difíceis de um trabalho.

Hoje, meu foco está em escrita e música. Então, sempre me vejo aplicando as mesmas ideias nos dois ambientes criativos, de formas diferentes.

Um é o meu ofício, o que eu faço para ganhar a vida. O outro não me gera dinheiro (pelo menos, não de forma expressiva, suficiente para eu viver apenas disso e pagar minhas contas).

Por esse motivo, os dois tem lugares bem distintos na minha rotina. Ainda assim, são as duas atividades mais importantes da minha vida.

Quando o assunto é escrita, eu me habituei a focar em uma pauta ou necessidade, definir um deadline e executar a tarefa dentro desses limites.Caso escolha um determinado tema, eu preciso fechar a ideia, deixá-la redonda para que se encerre em um certo ponto, quando eu achar que já disse o que tinha pra dizer.

Outras vezes, preciso cuidar de um projeto que tem diversos elementos e pessoas envolvidas e todas vão opinar em alguma etapa. Eu preciso ter muito claro o que posso e o que não posso fazer.

Não digo como se afirmasse que apenas obedeço ordens e aceno com a cabeça, dizendo sim, sim, sim. Não é isso. Mas mesmo quando quero extrapolar alguns limites, isso demanda conversa e negociações que levam ou não a um novo combinado (que nada mais são do que novas limitações).

Com tudo definido e conversado, preciso sentar e executar, dentro do prazo, orçamento, tecnologia, habilidades da equipe, etc.

Por outro lado, quando eu preciso criar música, por não ter nenhum cliente, nem obrigação com ninguém, o que era de se esperar é que eu me tornasse uma máquina criativa e produzisse rios e mais rios de canções maravilhosas.

Mas isso não poderia estar mais longe da verdade.

A música, por muito tempo, foi (e às vezes ainda é) um terreno no qual eu depositava todas as minhas pretensões de perfeição.

Por muito tempo, eu me ressentia por não ter o poder de executar o que queria do jeito que queria, no tempo que achava que precisava. Eu achava que uma mente como a minha deveria ter à disposição os meios necessários para dar vazão à sua criatividade, incluindo a colaboração cega de todos.

Bullshit.

Demorei anos pra perceber que isso simplesmente não existe.

Eu lamentava não ter os companheiros de banda, nem os microfones, nem a guitarra, nem os pedais, nem a interface ou o tratamento acústico ideais e colocava a responsabilidade pela minha falta de ação nisso, quando na verdade, quem estava deixando de fazer o que era viável sob a desculpa de não ter o cenário perfeito era eu e somente eu.

Pode não parecer em um primeiro momento, mas isso tem um nome: procrastinação.

A prova maior é que, em determinado momento, eu de fato tinha o mínimo necessário para compor e começar a gravar em casa, mas não o fazia.

Apenas quando aceitei essas limitações e parei de querer comprar equipamento ou de me esconder atrás de desculpas é que as coisas começaram a andar.

De repente, ao invés de lamentar, eu me perguntava: “o que consigo fazer com uma interface de dois canais e um microfone?”; “ok, não sei tocar teclado, mas de que forma consigo inserir novos timbres nessa música?”; “não tenho um naipe de metais, o que eu posso colocar no lugar?”; “quem será que pode me ensinar a fazer a mix?”; “onde aprendo a captar melhor o violão?”; “como gravo a bateria?”; “será que consigo fazer algo simples e bom?”; e assim por diante.

Quando se tem uma limitação clara, é a chance de perguntar o que diabos você consegue fazer com as ferramentas que possui em mãos. Quando você tem um martelo, o que dá pra fazer é quebrar a parede ou pregar uns pregos. A instrução fica clara.

Por outro lado, o oceano de possibilidades da liberdade absoluta leva à paralisia. Você não começa e também não termina. Esse desejo costuma ser só mais uma desculpa baseada em excesso de autoimportância, pura pretensão.

Jack White, por exemplo, impõe limitações a si mesmo, para não se perder. Ele precisa de prazos, de compromissos, de horários agendados em algum estúdio, para poder criar. Ele precisa saber qual o formato, se a música vai contar com um instrumento ou vários, de quantos canais vai dispor, etc. Isso não o impede, pelo contrário, o estimula.

Trazendo de volta pra nossa realidade, podem ser as expectativas do cliente, falta de tempo, equipamento, dinheiro, pessoal, ou mesmo habilidade da sua parte, mas as limitações estarão lá e você vai ter de contorná-las. Liberdade criativa não existe.

É a forma como você lida com as limitações que vai contar e, quem sabe, um dia deixá-lo tão hábil que, de fato, as piores situações sejam vistas com completa liberdade.

Obrigado pela leitura!

Se esse texto ressoou em você, não esqueça de compartilhar e dar like. Significa um monte pra mim e faz com que o texto possa ajudar também outras pessoas. :)

Decidi criar um calendário de publicação, pra facilitar a vida de quem quiser acompanhar meus textos de perto. Toda terça-feira, um texto novo no Medium.

Se você me acompanha pelo PapodeHomem, sai texto meu às quartas por lá.

Além disso, estou na fase final de produção do meu EP. Se esse texto te deixou curioso sobre minha produção musical, peço que me acompanhe pelo Facebook, Instagram ou Soundcloud. Logo dou mais notícias a esse respeito.

 

LEAVE A REPLY